quinta-feira, 5 de março de 2015

porque pensando cheguei a me encontrar...


e o que é amar se não deixar viver...

...não posso falar sobre o que os outros sentem ou pensam.
Mas mesmo tendo ao longo da minha vida encontrado autores com Gibran, Osho que falam do amor que liberta, só hoje realizei o que é este amor.
No caminho que percorri, o amor sempre foi faca de fois gumes, onde as pessoas por amarem ou serem amadas, eram incapazes de serem elas próprias. Carregavam o peso de amar e de precisar do outro como o ar que se respira. Sobrecarregavam os seus objetos de amor com as expectativas e necessidades, que quiça nem de perto e nem de longe eram necessárias.
Não sei se errei ou acertei, mas sempre busquei o amor que me permitia ser simplesmente eu, com tudo o que isto implicava.
E neste caminho, realizei hoje, que aprendi primeiro o amor que quebra os conceitos, que nos faz cometer loucuras e ao mesmo tempo sabemos que é tudo passageiro, que toda euforia é fantástica mas que visa somente um período de tempo. Amor que não aprisiona, mas não cria elos para além do necessário para crescer e morrer.
Depois foi o amor do encontro. O encontro de todos os meus sonhos, de todas as visões internas... de todos os insights... a minha alma gêmea... que fez com que tudo fosse colocado em cheque mate. Acreditamos que quando encontramos a nossa alma gêmea tudo vai se resolver, que para além da comunhão espiritual e física, somos o mesmo.
Ledo enganos, a alma gêmea é você a dobrar, com todo amor e dor que temos dentro de nós. E vencer a barreira da entrega e da confiança exige um amor maior do  mundo, exige uma confiança cega... exige que se tenha coragem de saltar para o escuro.
Não foi fácil criar coragem pra saltar. Não foi fácil reconstruir-me quando tudo ruiu a minha volta, e tive que re-aprender a confiar no que sabia e sentia.
Para além de toda dor, amar assim é mágico, único... não dá pra gente encontrar a alma gêmea e ficar indiferente. Tudo muda...tudo mudou.
Depois veio o amor da paz. O amor da confiança, da conversa, do companheirismo, o amor que me fez crescer... que me deu a realização de todo o meu ser. O amor que hoje percebo, é o amor da liberdade!
Não poderia nunca deixar de viver este amor, afinal procurei por ele em cada rosto que encontrei, em cada par de olhos que mirei... o amor da liberdade é o que nos conduz por mares bravos.
Hoje, escrevo em homenagem a este amor que me deu alicerce, que me trouxe luz quando a tempestade parecia nunca mais ter fim.
Hoje, sei que amar este homem é dar continuidade ao meu ser. Mas também sei, que por amar assim sou capaz de o deixar viver, de deixa-lo fazer o que tiver que fazer para ser feliz.
Já não há prisão, há compromisso... há um amor de quem diz: seja feliz!
Então percebo que mudei muito... se cresci não sei... mas sei que sou capaz de amar de forma diferente, que sou capaz de viver, de arriscar... sou capaz de ser feliz e de pedir mais para mim mesma e para esta pessoa que me é muito especial.
Um dia, depois de tanto chorar, pedi muito que a luz voltasse a brilhar e ela se fez.
Este ano voltei a fazer um pedido, que eu pudesse salvar a mulher que sou. Sim, salvar a mulher que sou, porque num mundo onde nós somos de tudo um pouco e nada de muito, é preciso salvar a nossa mulher. A mulher do fogo, das armas, dos risos, das paixões... a mulher que esquecemos em função do trabalho, dos filhos... de muitas desculpas e motivos.
"Salvar-me de mim mesma"... é re-descobrir a minha mulher. É compreender que agora já posso amar e deixar viver!
Hoje, agradeço a capacidade que todos temos de nos refazermos.
Nada é perfeito, mas tudo é lindo!
Viver é fantástico, e não dá pra gente desperdiçar o que a vida nos oferece.




Escrito por Jaqueline Reyes às 18h30
(0) Comente ] [ envie esta mensagem ] [  ] 

se não quiser...

Adoro a forma como este homem escreve e o que ele escreve, por isto trouxe este texto pra cá.
Afinal, todos queremos ser felizes!
"Se não quiser adoecer - "Fale de seus sentimentos"

Emoções e sentimentos que são escondidos, reprimidos, acabam em doenças como: gastrite, úlcera, dores lombares, dor na coluna..
Com o tempo a repressão dos sentimentos degenera até em câncer.
Então vamos desabafar, confidenciar, partilhar nossa intimidade, nossos segredos, nossos pecados.
O diálogo, a fala, a palavra, é um poderoso remédio e excelente terapia..

Se não quiser adoecer - "Tome decisão"

A pessoa indecisa permanece na dúvida, na ansiedade, na angústia. A
indecisão acumula problemas, preocupações, agressões.
A história humana é feita de decisões. Para decidir é preciso saber renunciar, saber perder vantagem e valores para ganhar outros.
As pessoas indecisas são vítimas de
doenças nervosas, gástricas e problemas de pele.

Se não quiser adoecer - "Busque soluções"

Pessoas negativas não enxergam soluções e aumentam os problemas.
Preferem a lamentação, a murmuração, o pessimismo.
Melhor é acender o fósforo que lamentar a escuridão. Pequena é a abelha, mas produz o que de mais doce existe. Somos o que pensamos.
O pensamento negativo gera energia
negativa que se transforma em doença.

Se não quiser adoecer - "Não viva de aparências"

Quem esconde a realidade finge, faz pose, quer sempre dar a impressão que está bem, quer mostrar-se perfeito, bonzinho etc., está acumulando
toneladas de peso... uma estátua de bronze, mas com pés de barro.
Nada pior para a saúde que viver de aparências e fachadas. São pessoas com muito verniz e pouca raiz. Seu destino é a farmácia, o hospital, a dor.

Se não quiser adoecer - "Aceite-se"

A rejeição de si próprio, a ausência de auto-estima, faz com que sejamos
algozes de nós mesmos. Ser eu mesmo é o núcleo de uma vida saudável. Os que não se aceitam são invejosos, ciumentos, imitadores, competitivos, destruidores.
Aceitar-se, aceitar ser aceito, aceitar as críticas, é
sabedoria, bom senso e terapia.

Se não quiser adoecer - "Confie"

Quem não confia, não se comunica, não se abre, não se relaciona, não cria liames profundos, não sabe fazer amizades verdadeiras. Sem confiança, não há relacionamento.
A desconfiança é falta de fé em si, nos outros e em Deus.

Se não quiser adoecer - "Não viva SEMPRE triste!"

O bom humor, a risada, o lazer, a alegria, recuperam a saúde e trazem vida longa. A pessoa alegre tem o dom de alegrar o ambiente em que vive.

"O bom humor nos salva das mãos do doutor". Alegria é saúde e terapia.
  
Dráuzio Varela "



Escrito por Jaqueline Reyes às 12h50
(0) Comente ] [ envie esta mensagem ] [  ] 

encontrar...


...quantas vezes busquei por algo ou alguém que desse sentido aos muitos "por quês" das minhas próprias dúvidas.
Quantas vezes foi mais fácil sair para encontrar uma resposta qualquer lá fora, do que entrar e encontrar a minha própria resposta.
Quantas vezes percorri o mesmo caminho não uma, mas milhares de vezes, para no final dar com a mesma resposta: Eu !
Ouço muita gente falando isto e aquilo, que era melhor fazer isto ou aquilo... mas o que exatamente é que eu quero, o que é que eu espero?
Acho que este dilema permeia a vida de todo ser que quer mais e melhor de si mesmo e da vida.
Hoje ouvi uma resposta que me fez pensar, e agradeço a esta pessoa pela oportunidade que me deu de refletir.
Acredito mesmo que é preciso aprender a ser feliz onde se está e com quem se está. Do contrário mude!
Mas se a cada chuva a gente mudar... então, chega um dia enfim que já não haverá mais lugar para ir.
Ficar e enfrentar é algo que exige todo tipo de amor, aceitação, flexibilidade, coragem e trabalho.
Numa relação e na vida sempre temos os altos e baixos, os muito bons e muito maus momentos.
Assim é viver, assim somos nós na nossa necessidade de sermos perfeitos e "felizes para sempre".
Hoje tive que enfrentar não só os meus fantasmas, mas também sonhos, devaneios... e agora?
Agora José, Maria, João... agora é viver, ser feliz hoje da melhor maneira que se pode.
Não dá para ter regras, conceitos ou pré-conceitos quando se trata de vivermos.
No entanto, é fator primordial respeitar-se e respeitar o outro na nossa vontade e desejo de viver.
Não dá pra ser feliz na infelicidade do outro.
Muitas pessoas me perguntavam como eu conseguia "voar", ir de uma cidade para outra, de um país para o outro,... não era fácil, mas aprendi viver o melhor que podia onde estava e como estava. 
Hoje me perguntam se não sinto saudades da vida "cigana" que tinha...risos... de fato era muito boa, mas já não sou aquela pessoa, os meus anseios agora são outros.
Estou na paz do guerreiro que encontrou o porto salvo, que se precisar vai a luta, mas do contrário, senta-se e aproveita o vento, o sol, os amigos... as lembranças e saudades.
Quantas Jaquelines seriam necessárias para eu poder dar conta do muito que quero fazer e viver. Na adolescência precisaria de pelo menos 1000 e hoje estou mais calma, umas 10 já davam jeito...risos...
Portanto, viver e encontrar-se dá muito trabalho.
Não há pílula dourada, tão pouco azul ou vermelha, que nos cure ou revele a verdade total.
A nossa verdade é sempre parcial, é sempre um ponto de onde podemos transformar tudo o mais no nosso caminho.
Hoje, fui feliz !
Ser feliz é muito simples...risos... basta ficarmos pelo básico.
Que todos possamos ser "básicos" nos nossos sonhos e desejos para que eles possam se realizar nas suas totalidades.
E o que tiver que ser, será !
Maktub !
Jaqueline Reyes 


Escrito por Jaqueline Reyes às 18h05

Sem comentários:

Publicar um comentário